JARGUS 2018

Caro colegas do Sul do Brasil


Tudo pronto para nossa XIV JARGUS 2018 !!

É a Jornada anual da Associação Gaúcha de Ultrassonografia - ARGUS, filiada à Sociedade Brasileira de Ultrassonografia (SBUS). Também será o II Encontro Gaúcho da SOBRAMEF-SBUS (Sociedade Brasileira de Medicina Fetal).


Nesse ano, a JARGUS será realizada nos dias 26 e 27 de outubro de 2018, no NOVOTEL Três Figueiras, Porto Alegre, RS.

Serão dois dias de intensa programação científica para compartilhar conhecimentos.


Nessa oportunidade ocorrerá também a I FINUS-RS, Feira de Implementos e Negócios em Ultrassonografia, que oportunizará o encontro da indústria de equipamentos e serviços desse segmento (que talvez seja o que mais se desenvolveu nos últimos anos), com seus consumidores diretos. A visita a feira será gratuita, com descontos especiais aos inscritos no evento científico.


Inscrições estarão abertas.

Visite o HOTSITE www.jargus2018.eventize.com.br


Dr. Jorge Telles, presidente da ARGUS

Saiba mais sobre Amniocentese


O que é a amniocentese?
            Amniocentese é a coleta de líquido amniótico para exame. Este líquido está na bolsa ou balão onde o bebê se desenvolve. No líquido, encontramos células do bebê que descamaram da pele, do tubo digestivo e respiratório das quais podemos estudar o material genético. A amniocentese deve ser diferenciada de outro exame chamado Biópsia de Vilo Corial (BVC), onde o especialista em Medicina Fetal retira células da placenta para análise. A BVC é realizada a partir das 12 semanas de gestação.

Como é feita?
            É realizada por uma punção com agulha muito fina através do abdômen da mãe, guiada pela ultrassonografia. O especialista em Medicina Fetal tem treinamento para esta coleta com o mínimo de desconforto para a mãe e com risco bastante baixo. Via de regra é feita quando o risco de encontrarmos algum achado que seja perigoso para o feto seja maior que o risco do procedimento (cerca de 0,5%). 

Em quais casos é indicada?
         Tanto a amniocentese ou a BVC são indicadas avaliação do para o cariótipo fetal, pesquisas de infecções pesquisas de algumas doenças gênicas. Outra utilidade importante da amniocentese é para pesquisa de maturidade fetal, via de regra realizada no terceiro trimestre, nas gestações de alto risco materno ou fetal.

Quando é feita?
A amniocentese é realizada necessariamente após às 15-16 semanas de gestação.

A amniocentese provoca dor?
Sim, mas é comparável à dor de uma injeção, pois fundamentalmente a dor é da passagem da agulha pela pele.

Alguma recomendação sobre o comportamento depois do exame?
A maioria dos profissionais recomendam repouso relativo por cerca de 12horas.

Quais são os riscos da amniocentese?
O risco geral é de cerca de 0,5% ou 1:200.

Quais doenças genéticas podem ser detectadas pela amniocentese? Quais doenças o exame não detecta?
Inúmeras doenças podem ser pesquisadas no líquido amniótico. Desde genéticas até infecções, além de dosagens de biologia molecular. A maioria dos exames de amniocentese são realizados para avaliação do cariótipo fetal, sendo o resultado mais comum o de cariótipo normal da especie humana: 46XX (menina) ou 46XY (menino).

E se o resultado do teste mostrar que o feto tem uma doença genética? Qual é o procedimento padrão?
Neste caso necessariamente o bebê deve ser avaliado por um especialista em Medicina Fetal ou em Genética, para a correta interpretação do exame e aconselhamento do casal.

Quanto tempo demora para sair o resultado da amniocentese?
A análise completa do cariótipo leva cerca de 2 à 3 semanas, pois necessita de cultivo das células (chamadas amniócitos) em estufas para posterior leitura e interpretação do exame.

Quanto custa o exame?
A análise no laboratório de Genética custa cerca de 600 à 800 reais e o custo da amniocentese em si depende do valor do serviço profissional do médico, mas em geral também está entre 600 e 1000 reais.

Quais pontos devem ser considerados antes de decidir se é melhor fazer ou não amniocentese?
Hoje temos diversos exames que chamamos de Rastreamento Cromossômico, tanto por ultrassonografia como por testes bioquímicos, que são complementares. O resultado alimenta softwares específicos para cálculo de risco fetal. Aconselha-se que um profissional de Medicina Fetal ou mesmo o obstetra avalie e faça a consulta de aconselhamento do casal sobre o resultado e o real risco fetal para estas patologias.